sexta-feira, 6 de dezembro de 2013


Guardadas as minhas diferenças para com a escola da SuperFilha (falta de maior comunicação com os pais por meio de reuniões; fraco interesse em relação às observações e reclamações feitas; pouco avanço em conteúdo de aprendizado para uma criança desta idade etc.), é inegável a falta que o colégio já passa a fazer na vida da minha garotinha: além da ausência do local seguro e com atividades para uma manhã inteira por dia, o abandono à rotina de acordar cedo, desde o último 29 de novembro, já bagunçou até as noites da Filha - ela agora faz uma farra danada na hora de dormir, não vai para a cama antes das 22h e, de quebra, tem acordado no meio da noite e seguido para a cama dos pais... Mas isso não seria também devido aos precoces ciúmes surgidos com os gêmeos (- Não gosto dos irmãozinhos...)? Só o tempo dirá...

Tempo... Ao fim do seu primeiro ano de colégio, tudo o que a SuperFilha tem agora é tempo, enquanto para seus pais isso é tudo o que falta! E haja matemática para aliar lazer e bom uso para todas estas novas manhãs "extras"! Afetada a "logística" dos afazeres nossos do dia-a-dia, um bom rodízio matutino entre as avós ajuda bastante, aliado a um revezamento entre a Mamãe e eu no resto do dia e a um estudado escalonamento de atividades - encontros com os primos que pouco vê; idas a atrações natalinas de 'shoppings' e promoções de lojas de brinquedos; uma passadinha ainda que fortuita na praia no sábado (cada dia mais poluída - Ela 'tá com medo da onda agora...); descidinhas ao 'play' do condomínio quando a "vizinhança infantil" está boa - vão tocando as férias para frente...

Muitos são os momentos, porém, de parada obrigatória em casa, com as inevitáveis horas em frente à TV com o ainda dominante Nick Jr. ou com novas exibições de Chico & Vinícius para Crianças ao DVD (- Não, não fuja, não/ Finja que agora eu era o seu brinquedo...)! Por isso, tenho em mente que até a "construção do cenário natalino", com o desembrulhar dos enfeites e a armação do pinheiro na sala para esperar as festas de fim de ano, no primeiro dia de dezembro, tem que se converter em evento lúdico para a minha menininha! Convidada a participar, não se fez de rogada e se lançou a colocar as bolas na árvore de Natal e a sujar-se toda com aquele monte de glíter - embora o seu interesse nas luzinhas e no oba-oba exageradamente colorido de tudo ainda não a motive tanto, desde que ela se "entende por gente"... Mas o presépio de aparência infantil, com os personagens do Santo Nascimento com feições de adoráveis e redondos bonequinhos de resina, que comprei no primeiro ano de vida da Filha, mantém-se como sua "atração" favorita: engraçado como, todo santo dia, os pequenos Reis Magos, São José e Anjinho aparecem deitadinhos, como que dormitando!

Devo confessar que sempre achei chato e irritantemente vazio reduzir o Natal a Papai Noel, mesmo para as crianças, especialmente em razão de seus derivados consumistas de "ofertas de presentes" - ainda que não se queira expressar (ou não se tenha) uma fé cristã, as festas de fim de ano são bem mais ricas em filosofias de solidariedade e confraternização, além, é claro, da ideia de fechamento de ciclo para a renovação de esperança no início de outro ainda melhor... E nada mais rico do que ensinar toda esta vivificação das boas festas para uma criança de 3 anos e meio! Ainda mais quando a SuperFilha morre de medo do "Bom Velhinho" (a ponto de pedir para ser retirado um mero enfeite de madeira da árvore de Natal na forma de Papai Noel - Tira, Papai, tira!)! Por isso, sempre achei melhor reacender uma volta às velhas tradições - e o presépio é, sem sombra de dúvidas, uma das mais lúdicas e melhores formas de incutir os principais significados desta bela época do ano...

Tanto é assim que este foi o momento mais compartilhado pela minha garotinha no último domingo (e se estende até hoje, com o mexer dos "bonequinhos" dia após dia...). E, ainda que superficialmente, aproveita-se o interesse para ensinar sobre os significados do Natal e seus personagens mais ricos, com destaque para a vinda do Menino Jesus - que, naquele momento, era somente um bebezinho (Dos mais bonitinhos/ Gugu-Dadá/ Que gosta de carinho...) numa humilde manjedoura - Olha, Filha: o Papai do Céu enviou Seu Filho Jesus para nascer entre os pobres e nos ensinar muitas coisas... Ele nasceu num cocho, num tabuleiro onde se põem comida para os animais, de uma gruta cheia deles (por isso, estão aqui um camelinho, com as orelhinhas quebradas por você tempos atrás, um burrinho e uma ovelhinha), porque não tinham mais hospedagem para São José e Santa Maria... E esses são os Reis Magos, que teriam vindo de longe para louvar o Santo Nascimento e entregar presentes ao Menino-Deus...

Sim, com o tempo muitas outras histórias serão contadas, os conceitos natalinos poderão ser ampliados e muitas conversas poderão surgir a respeito de Fé, Religião, esperança... Questões como a normalmente tida como lendária história dos Reis Magos (chefes de outras nações a reverenciar o Salvador), da data escolhida como sendo a do nascimento (25 de dezembro: festas pagãs do passado) e da desnecessária obsessão por pureza da "perpétua virgindade" de Maria (a ignorar irmãos de Jesus e a continuidade natural da vida conjugal) poderão ser desmitificados (bem como desmistificados: santas ilusões da Igreja Católica!) como criações humanas posteriores. E belas figuras lendárias como o hoje temido Papai Noel poderão ser "salvas" da purgação comercial a que foram submetidos com o passar dos tempos.

O fato é que o final de mais um ano se aproxima (com um 2014 de lindos gêmeos prometendo bastante!), o Natal de pouco mais de dois mil anos de Cristianismo, com suas inevitáveis confraternizações, já está bem aí e as férias da minha pequena apenas acabaram de começar... Em resumo: somos meros aprendizes de um mundo cansado, mas que jamais perdemos a esperança de tempos melhores (e por isso temos filhos e os educamos) e ainda temos muito chão pela frente...

Seguidores

 

Diários do Papai Copyright 2008 All Rights Reserved Baby Blog Designed by Ipiet | All Image Presented by Tadpole's Notez