quarta-feira, 30 de novembro de 2016

– APIPO!!!


Ainda me lembro do meu pai, o Vovô-Lito, agoniando-se com qualquer chorinho mais irritadiço da SuperFilha quando bebê, vaticinando: – Deverias dar um pipo pra essa menina, coitadinha... Pois é, a famigerada chupeta, o mesmo que "pipo" na minha região, já foi receita certa de sossego, tanto para os bebês como para os seus pais e avós! Mas "não, obrigado: minha filha não vai usar chupeta e estragar sua linda boquinha e sua dentição, papai!"... Bom, quatro anos se passariam e as minhas convicções mudaram drasticamente! Afinal, com os SuperGêmeos, não houve escapatória, com dois de uma vez a chorar por mais leite, mais colo, mais sono... E, com o SuperFilho esgoeladamente mais impaciente desde os primeiros minutos de vida (até hoje), chupeta pra que te quero! Tanto que, em determinados momentos de desespero em meio à gritaria do pequeno, já desejei ardentemente que existisse um daqueles "Em caso de emergência quebre o vidro" ao alcance da minha mão, aqui mesmo em casa – só que com uma chupeta dentro!

Passados os dois primeiros anos, a sensação de extrema dependência foi, aparentemente, diminuindo – mesmo sendo o mais "bebê", o Filhão querido já se virava bem, aqui e acolá, sem a famigerada bengala bucal... Até que Ciça, a ex-superbabá (aquela mesma que, depois de bons serviços prestados, revelou-se uma supervilã, com os poderes das irresponsabilidades e da desconsideração a toda prova), abandonou-nos e nos deixou como única alternativa correr com a superdupla para o colégio da Filha – e tome chupeta para a adaptação das primeiras semanas, com um monte de gente em volta, mas sem ninguém conhecido por perto além da irmã mais velha! Segunda-feira, terceira semana, a rotina já se instalando entre os dois superpequeninos, quando: – Apipo! A-pi-po!... Sim, a Mamãe havia se esquecido de colocar a bendita justamente na mochilinha do nosso garotão! O jeito foi correr para a farmácia mais próxima e comprar um. Probleminha: o único modelo disponível era o menorzinho, para crianças de até 1 ano... Comprei, entreguei para a Tia pelo vidro que separava as turminhas da recepção e fiz minhas preces! Depois, soube que ele aceitou, meio a contragosto, o mini-mimo, ainda que a toda hora tirando da boca e "conferindo" o porquê da "diminuição"...

Minha SuperFilhotinha também sempre foi chegada a uma chupeta; porém, normalmente mais "emancipada" e controlada que o irmão-gêmeo, guardou o costume de apenas "degustar" um bom pipo nas "horas apropriadas", como depois do almoço ou do jantar, à beira da hora de dormir... Sim, "degustar": precisa ver a mocinha na hora de solicitar seu "acepipe", tateando a procurar o "melhor", o "favorito" dentro de uma cumbuquinha cheia de modelos, cores e tamanhos na geladeira, como se estivesse dedilhando um legítimo charuto cubano! Até já aconteceu um ou outro momento de desespero com minha garotinha, como nalguma vinda do colégio ao meio-dia, antes do cochilo no bercinho sem sua chupetinha sagrada ("perdida" nalgum compartimento infeliz que não consegui visualizar na sua mochila)... Mas nunca, nada como o Filho – quem, se fosse possível, adoraria viver chupando uma boa chupeta 24 horas por dia, tal como aqueles eternos palitinhos na boca de um malandro carioca das chanchadas dos anos 50!

– Não comprem mais nenhuma chupeta: deixem que ele vá consumindo as atuais até ficarem imprestáveis e ele mesmo não aguentá-las mais! – receita "infalível" da superdoutora, a pediatra do meu supergarotinho, para conseguirmos tirar-lhe o vício. Sei não... Tudo o que sei é que agora, à beira das suas douradas férias, só uma chupeta (ou um "cicoito", digo, biscoito) para conseguir acalmar o fera-neném, a depender de como o pimpão acorda, mais ou menos irritadiço, em meio ao ócio dentro de casa nos dias sem "passiá" – e, de preferência, a azul, com alcinha, para facilitar a já famosa virada (sim, ele só chupa "ao contrário", com o pipo virado pra baixo por dentro da boca)! O pior é que sua arcada dentária já revela aquela feia e característica curva central... E, não querendo ser um pai babão, eu detestaria colaborar, de qualquer forma, para prejudicar aquele sorriso mais lindo e precioso do mundo! Ainda assim, infelizmente, na maioria das vezes, uma chupeta ainda vale mais que ouro!

Fanpage dos Diários do Papai no Facebook

Seguidores

 

Diários do Papai Copyright 2008 All Rights Reserved Baby Blog Designed by Ipiet | All Image Presented by Tadpole's Notez